Postagens Recentes

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Eu Sobrevivo, com Vanusa

Particularmente, tenho um fascínio enorme por versões de músicas americanas que pipocaram no Brasil nos anos 70 e 80. E minha atração por essa vertente tem muito mais de curiosidade e diversão que qualquer outro sentimento.

Capa do LP "Vanusa", de junho de 1981
Numa tentativa de aproveitar o sucesso das canções originais, "compositores" e músicos tupiniquins saíram traduzindo e gravando músicas que nem sempre produziram um resultado no mínimo agradável. Via de regra, são letras sem muito sentido, apenas para aproveitar a métrica e ritmo da "matriz". Às vezes, nem isso se conseguia, como é o caso de "Eu Sobrevivo", gravado pela jovem-guarda Vanusa em 1981.

Na esteira do sucesso arrasador de "I Will Survive", lançado em 1978 por Gloria Gaynor no auge da era disco - e que até hoje faz as pessoas chacoalharem nas pistas do mundo inteiro - a loira Vanusa brindou o público com uma canção cuja letra de Paulo Coelho (sim, ele mesmo) até lembrava a original, mas sem o mesmo pique e poder de fogo daquela que a inspirou. Ouça com atenção e depois me diga se o trecho "Você pensou que era meu sol / Meu paraíso / E achou que eu ía / Me humilhar por teu sorriso" não parece estar meio, digamos, "estranho".



Eu sobrevivo
Vanusa

Logo no começo
Eu me apavorei
Quando você me disse adeus
Eu não acreditei
E passei noites sem dormir
Naufragada em tanta dor
Mas consegui
E hoje me orgulho
Do que eu sou...

E vem você
Me procurar
Achando que era só pedir
Eu ía logo te abraçar
Pois eu devia ter mudado
De telefone e de lugar
Se eu soubesse aquele dia
Que você ía voltar...

Agora sai!
Pois eu mudei
Você não é mais
Alguém que eu tanto admirei
Você pensou que era meu sol
Meu paraíso
E achou que eu ía
Me humilhar por teu sorriso...

Não, não eu
Eu não preciso
Pois aprendi que sem você
Sem seu amor
Eu sobrevivo
Tenho sonhos pra sonhar
Tenho tanto amor pra dar
Eu sobrevivo!
Eu sobrevivo!
Hei! Hei!...

Foi difícil não ceder
Não cair no chão
Juntar de novo
Os pedaços do meu coração
E tantas noites eu passei
Sentindo tanta dó de mim
Mas acabou!
E minha dor chegou ao fim
Olhe pra mim
Vê que eu mudei
Porque não sou mais
Quem eu era
Quando te encontrei
Você pensou que ía estar
Sempre esperando por você
Mas hoje eu guardo
O meu amor
Pra quem de fato merecer!




sábado, 28 de abril de 2012

Placa de Venda

Com pinta e visual de centroavante trombador, o cantor e compositor cearense Marcelo Reis estourou nas paradas de todo o Brasil em 1981, tentando vender sua casa depois de ser deixado pela mulher amada. Provavelmente, a morada trazia lembranças dos momentos felizes e o pobre homem não conseguiria resistir a isso, portanto a estava vendendo "por qualquer preço" e "ao primeiro que chegar".

Ouça essa pérola e confira a letra de "Placa de Venda":


Placa de Venda
Marcelo Reis

Vou botar placa de venda nesta casa
Do contrário terei que abandoná-la
A mulher que eu amava foi embora
E nesta casa não consigo mais morar

De que vale uma casa assim tão grande
Sem o carinho de uma mulher amada
Para muitos ela pode valer tudo
Mas para mim ela já não vale nada 

Vende-se uma casa
Dá-se por um preço qualquer
Eu não vou morar sozinho
Sem o amor dessa mulher 

Vende-se uma casa
Ao primeiro que chegar
Eu darei por qualquer preço
Aqui eu não posso morar

domingo, 30 de janeiro de 2011

Impossível acreditar que perdi você

Um dos ícones da verdadeira música brega, que ainda está em atividade e não havia sido publicado no blog. Estou falando do mineiro Márcio Greyck, o cantor dos olhos verdes e sobrenome complicado que arrebatou corações principalmente nas década de 70 e 80.

Com alguns sucessos marcantes, seu "debut" nas paradas foi com "Impossível acreditar que perdi você". Composta em parceria com seu irmão Cobel e lançada em 1970, a canção provocou um fenômeno de vendas para a época, alcançando a então extraordinária marca de mais de 500 mil cópias vendidas. Mais que isso, "Impossível acreditar que perdi você" garantiu a Márcio Greyck o primeiro lugar nas paradas do Brasil por mais de seis meses. Tanto sucesso fez com que a música fosse regravada por diversos artistas de estilos diferentes, como Wilson Simonal, Rosana, Gilliard, Perla, Fernando Mendes, entre outros.

Um dos artistas que não parou no tempo, Márcio Greyck continua aos 63 anos fazendo shows e disponibiliza aos seus admiradores um site bastante completo e atualizado com frequência: www.marciogreyck.com.br. Assista a um vídeo com o ídolo cantando ao vivo essa bela música:



Voltando à musica desse post, ela narra mais uma das famosas e corriqueiras histórias do sujeito que foi abandonado pela mulher amada e agora não consegue se conformar. Em tom melancólico, ele lamenta ter sido abandonado e chora pela volta da paixão. Como diz o título, não consegue acreditar que a perdeu. Não há notícias que a canção tenha tons autobiográficos, embora essa característica tenha sido bastante comum no gênero e na época.

Ouça "Impossível acreditar que perdi você" e, mais abaixo, confira a letra desse grande sucesso:


Impossível acreditar que perdi você
Márcio Greyck

Não, eu não consigo acreditar
No que aconteceu
É um sonho meu
Nada se acabou...

Não, é impossível
Não consigo viver sem você
Volte e venha ver
Tudo em mim mudou...

Eu já não consigo
Mais viver dentro de mim
E viver assim
É quase morrer

Venha me dizer sorrindo
Que você brincou
E que ainda é meu
Só meu, o seu amor...

Hoje mais um dia de tristeza
Para mim passou
Nem o meu olhar
Nada se alegrou...

Sinto-me perdido no vazio
Que você deixou
Nada quero ser
Já nem sei quem sou...

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Altieris Barbiero - Amar é viver

Mais uma das canções "recitadas" ou "interpretadas", como preferirem. Desse mesmo gênero, já publicamos aqui "Prometemos Não Chorar" e agora trazemos mais um radialista que fez sucesso com uma música nesse estilo.

Em 1981, o locutor Altieris Barbiero gravou "Amar é Viver", que logo explodiu nas emissoras de rádio AM de todo o país. Mantendo a tradição, a música tem um refrão insistente cantado pelo backing-vocal e a voz de veludo do locutor/radialista contando uma terrível história que, invariavelmente, trata de amor, frustração e arrependimento.

No melhor estilo Cid Moreira, Altieris conta que ama uma mulher (a quem é dirigida a música) há muito tempo, mas nunca teve coragem de declarar (sim, você já ouviu esse tema em algum lugar). Suas (do cantor) reminiscências passam pelos tempos de criança, no colégio, quando escondido escrevia frases de amor no caderno da amada. Mas infelizmente ela nunca soube...




Mas o destino é padrasto. Não é que ele encontra a amada e resolve enfim se declarar? Quando está se preparando para isso, surpresa: uma criança corre para os braços da mulher a chamando de mãe! E assim, porque em música brega não existem finais felizes, ele continua com seu amor secreto e impossível. Seja sincero, você já bolou um script mais melancólico, mesmo em seus maiores devaneios?

Atualmente, o locutor comanda um programa na Rádio 9 de Julho, de São Paulo. Com vocês, Altieris Barbiero:



Amar é Viver
Altieris Barbiero


Se amar é viver, eu vivo porque amo você... (4x)

Eu amo você, faz tanto tempo!
Mas nunca, nunca tive a coragem de falar pra você meus sentimentos...

Se amar é viver, eu vivo porque amo você... (2x)

Lembro de você do tempo da escola

Suas tranças, seu avental azul, seu sorriso tão lindo!
Eu, eu era aquele que escrevia no seu caderno aquelas frases de amor
Mas você nunca imaginou que era eu, aquele menino tímido, o seu grande admirador apaixonado
Eu... ah, morria de vergonha de tão só pensar que você algum dia soubesse do meu amor por você
Eu sempre lhe amei... sempre!

Se amar é viver, eu vivo porque amo você... (2x)

Hoje, depois de tanto tempo, encontrei você na rua
Que linda que você estava!
E eu falei para mim mesmo: hoje não vou ser covarde, vou falar pra ela tudo, tudo!
Tudo aquilo que há muito tempo eu tenho guardado no meu coração!
Mas de repente, uma criança correu até seus braços, chamando-te de mãe...
E outra vez, esse medo antigo
Percebi então, que já era tarde demais..
Demasiado tarde para nós

E sem que você me visse, fui embora...
Fui embora chorando e cantando esta canção...


De lambuja, um "ao vivo" com Altieris Barbiero:





segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Fumaça nos olhos

Se você assistiu o filme "Além da Eternidade", deve lembrar da belíssima música "Smoke Gets in Your Eyes", interpretada pela banda The Platters. A música tem bastante a ver com a trama, que conta a história de um aviador (vivido por Richard Dreyfuss) que combate incêndios florestais e depois de morrer em um acidente volta para ajudar sua amada (Holly Hunter) a esquecê-lo, o que obviamente não será tarefa fácil para nenhum dos dois. O filme é bem bonitinho, vale a pena se ainda não assistiu.

Mas o que interessa para o blog é que o Agnaldo "mamãe, estou tão feliz" Timóteo gravou uma inacreditável versão para essa música com o título de "Fumaça nos Olhos" (juro, é verdade). A impressão que se tem, ao ouvir a música, é que a letra original foi jogada num "Google Translate" primitivo e depois gravada. Ficou surreal, sem fazer qualquer sentido. Não acredita? Acha que estou exagerando? Então ouça a música, leia a letra e depois me diga o que diabos significa "a minha fantasia/jamais poderia saber/que guardava em mim/o princípio e o fim/de quem não quer ver".



Fumaça nos Olhos
Agnaldo Timóteo

Se vinham me dizer
Que no meu olhar
O amor ia enfumaçar
A luz da razão
Eu sorria então

A minha fantasia
Jamais poderia saber
Que guardava em mim
O princípio e o fim
De quem não quer ver

Como um vento que passou
Você foi um belo momento (foi)
A fumaça azul e tão fugaz
Que o sol da manhã desfaz

Ninguém há de negar
Hoje eu posso ter certeza
Quando o amor se vai
É que a tristeza
Cai em nosso olhar